segunda-feira, janeiro 19, 2009

De repente.

Certas coisas se tornam efêmeras durante o intervalo do café.
E... O que torna o intervalo do café tão importante para transformar alguns pensamentos dentro de você? Ora, o café é saboroso e o intervalo seguido de um café o torna mais saboroso ainda, porém, o que eu digo é que há um momento na vida em que algo muda. Simplesmente algo muda, aquela visão das coisas se transforma.

De repente aquilo que a tempos se pensava tanto, não faz o menor sentido, ou ainda faz tanto sentido, que no intervalo do café, naquele momento que talvez não poderia ser qualquer outro, naquele simples momento você percebe que agora sim, está sentido.

O que eu digo não é algo redentor, que aflora na pele, algo que faça brotar lagrimas ou gargalhadas incontidas seguido de saltos e passos acelerados. Talvez seja até mais poderoso, é uma coisa consciente, não é uma surpresa. Vem leve, vem simples como o intervalo do café. Você olha e esta ali, surge com um sorriso prosaico, passos leves, sem alterações no batimento cardíaco.

As coisas ficam mais claras, algo no universo muda, ali, naquele segundo. E no transformar de algo dentro de você implica na mudança de muitas outras coisas, pois tudo tem uma ligação com o que quer que seja. O mundo, a sua existência, seus passos, seu café e diversos outros fatos e pensamentos provenientes de pequenas conclusões durante seu cotidiano.

Posso descrever, ainda que não fielmente, essa sensação, porem nunca poderia explicar o que senti.

Se um dia alguém sorrir para você, e você simplesmente sorrir de volta, ai sim, essa seria a explicação perfeita e espero que possa entender.

Bom, eu defendo o intervalo do café, pois estou escrevendo isso e meu café esta esfriando ao lado, mas isso pode acontecer em qualquer outro momento, no desembrulhar de uma bala, calçando os sapatos, tomando um suco, acendendo um cigarro, pegando o ônibus.

São momentos pessoais, são momentos próprios onde o mundo se faz quintal por debaixo dos seus passos. São momentos onde só você existe por ali, momentos automáticos que quando algo desse acontece você percebe o que está fazendo, e aquele momento adquiri um valor considerável que simplesmente você termina o que começou, e quando novamente você volta os olhos para o mundo, você não é mais o mesmo.

Hoje não sou mais o mesmo depois desse intervalo do café. Ele me mudou, e eu, o mudei.

Agora irei terminar de tomar meu café ali fora e pensar sobre tudo isso.



Obs.: Dan terminou de tomar o café antes que concluísse o texto. E conclui o texto escrevendo essa Observação.

9 comentários:

talvez Mari, talvez não. disse...

eu adorei.
e adorei as sensações.
as mudanças foram boas, espero.

Um cafézinho??
Beijo!

disse...

faz muito sentido pra mim.

Bárbara disse...

Ah, se o mundo todo percebesse a importância dessas pausas pessoais, o mundo certamente seria outro.

Talvez, só percebê-la basta. Resta a sensação satisfatória, anterior à longa continuidade discreta.

Sensações como essa colocam em marcha uma revolução.
Belíssimo texto.

Mariana disse...

A minha mudança não tem cheiro de café, mas sem dúvida alguma ela deixará em mim uma saudade bem amarga.
E sabe o que a gente faz quando isso acontece?
Adoça com o que pode. ;)

Beijo, Dan.

Aymée disse...

nossa, muito boom, faz realmente mtu sentido =)

ARCANO disse...

Quer tomar uma café comigo?

J disse...

Revelação:

Depois do café da Dona Nena o mundo não é mais o mesmo.

Parabéns
Gostei muito.

Rafael Lizzio. disse...

Café de Vó é Metafísico.

Rafael Lizzio. disse...

Aposto que ela usa coador de pano.