quinta-feira, abril 24, 2008

Sistema nervoso sintético


Sistema nervoso sintético
Vida teórica indescritível

A vida feita em mais um acorde

Fama sucesso dinheiro
Em baixo da cachoeira do banheiro
Cenas feitas refeitas
Cabeça em cima de um travesseiro

Sistema nervoso sintético
Veias, fios, cabeça e trilho

Errar de novo por gosto
Aprender
A prender o fôlego

Não estatize nossas vidas
Não programe autodestruição

Frio metal, passos olhar
Nuvens vêm e vão
A gente fica

Fique aqui pra arrumar
A bagunça dentro da minha cabeça

Reflexo some sem pistas
Sem espelho ou vergonha

Reflexos se vão
A gente fica

Sentado no banco, café, cigarro e apatia
Projetos de um futuro passado

Dependência externa de prazer
Depender do mundo pra viver
Mas ele depende mais de você

Derramar emoções
Em cima do computador
Estranho não usar
Lápis nem apontador

Sistema nervoso sintético
Simulação de sentimentos mil

6 comentários:

Ferdi disse...

"Derramar emoções e lagrimas
Em cima do teclado do computador
Sinto-me estranho não usando
Lápis nem apontador" :~

eu seria tão, tão mais feliz se.. ah! deixa pra lá.

o seu amigo me convidou pra um ensaio, um dia e eu realmente pretendo ir, além de ter intenções de te ver na virada. :*

Soraia disse...

... amor meu, eu podia dizer q nao... q aindda prefiro os sóis da manha e passarinhos cantando, mocinhas nas praças, bandinhas nos coretos e toda essa nossa nostalgia, mas com toda certeza seria hipocrisia. Nasci em um tempo onde ainda se aprendia a escrever a mao... um tempo longínquo, de tão passado e de tão presente. Podia dizer q sinto falta dakele tempo, onde havia de cheiro de mato quando chovia ou dos falsos preços mais baixos ou esteriótipos de felicidades mais simples e não sabidas, mas igualmente vendidas; mas não posso.
Rs, como ja te disse, tudo q "vc grita em meus ouvidos" bem aki, me fazem refletir e agora me pego pensando se me traio, se traio meu tempo longe e perto, assumindo que nao mais sinto-me estranha ao usar teclados e nao lápis... Penso em tantas coisas; nao em fama, dinheiro e nem tento arrumar a confusao de minha cabeça... só vejo a mim mesma, não no meu espelho, nem no seu e me acho para que meus reflexos fiquem.. nunca mais se vão e para eu compreenda que não é onde, mas como eu vivo que me faz diferença e minhas lágrimas, em papel ou teclado, continuarão sendo confortaveis, pq eu, continuo sendo a mesma.
Um bju qquerido...
Ah, poderia dizer q vc e seu texto sao geniais, mas seria piegas, rs... pq vc é perfeito e nós, já sabemos !!!!
Parabéns.

Rafael Lizzio. disse...

Futuro Esquecido,

Talvez se fossem folhas de s�lfite ,l�pis ... uma conversa na beira do jardim , no port�o.

A simula�o fosse mais org�nica.

... Natural

Ferdi disse...

menino que paciência, nem eu li duas vezes pra revisar possíveis erros de português e/ou concordância, rarara. :*

Bárbara disse...

tem um "que" a mais de tristeza escondida nesse texto.. uma mudança significativa deve estar proseando por ai..

olha, acho seus textos cada vez melhores, de verdade mesmo. Mas me diz, como não nutrir fugos no sistema nervoso?

Jenny disse...

Tem uma coisa que eu escrevi que tem um titulo muito similar a este. Divertido.

Nossa, parece até eu as vezes isso tudo! Mas sou assim só às vezes, no outro dia sou outra coisa.

Como sempre nem preciso dizer que te acho um escritor bem bom mesmo que admiro e coisa e tal. Mas já deves de estar cansado de ler isso por aqui, de qualquer forma nem posso mentir e tudo, então falo outra vez. :D

E cuidado, teclado pifa com àgua, no duro, experiência própria.

Beijo