sábado, maio 10, 2008

Barragem

Os picos das montanhas
Fazem amor com as nuvens e os céus
Entre espasmos e delírios de prazer
Goza aos litros
Nascente dos rios

Escorre sobre a pele da terra
Encontra vidas e pedras
Que não atravanca seu caminho
Com isso deixa-o mais belo

Acaricia a superfície e faz
O planeta gemer em arrepios

Desliza pela espinha do mundo

Toma força
E faz
Tremer de amor o mar
Os picos ainda gozam aos litros
Sem interromper nenhum ciclo

Sobe aos céus
E alimenta o manancial
A barragem do homem
Impede de encontrar todo potencial

Retém os espasmos e vontades naturais

Os pés pesados no pedal
Aceleram até a barriga esfriar
Você me faz ir
Até as ultimas consequências

Destruir barragens, continuar
Ninguém pode dominar o rio, céu e o mar

As últimas consequências
Fazem-me continuar.

7 comentários:

Rafael Lizzio. disse...

Dan,

Muito bom mesmo !
Maduro, muito amplo e Belo.

Parabéns

* um dos mais fodas que eu já li.

Soraia disse...

...e continue.. e goze e nao conte.. não por pudores, talvez não os tenha; mas para simplesmente não interferir em nossa capacidade criativa... afinal, ninguém pode contra rio, céu e o mar....

disse...

"As últimas conseqüências
Fazem-me continuar."

disse...

"Destruir barragens, continuar
Ninguém pode dominar rio o céu e o mar

As últimas conseqüências
Fazem-me continuar."



lindo, lindo :~

Bárbara disse...

uau, seus textos estão cada vez mais fortes! (não sei se é a palavra certa)


acredito que é mais interessante quebrar tudo o que for possível, só pelo simples prazer que nos faz sentir.. mas disso vce já sabe.

Katrina disse...

Preciso destruir algumas barragens

' arcano disse...

Seu caderninho me interessou, talvez pelo fato de que ele seja um cardapio para minha insonia. Como se suas palavras acabassem com minha fome (: