quinta-feira, março 13, 2008

Despertador

De súbito, abro os olhos. Vejo-me na penumbra do quarto, e a luz do dia entra pelas frestas na janela. A mesma luz de sempre, a mesma penumbra, o mesmo sono. E o mesmo estrado do beliche... Ah! Esse estrado do beliche...
O som do despertar nem sempre é o mesmo, mas a missão é a mesma. Acordar. O que muda é o olhar. Muda e muda e muda...
Fecho os olhos, os mesmos olhos de sempre. As imagens sem sentido dançam na minha cabeça. E esse estrado da cama continua com as mesmas antigas marcas...
O som do despertador não cessa. A respiração não cessa, mesmo de olhos abertos, as imagens não cessam.
Qual o motivo?Lembrei... Não tenho mais o mesmo olhar de antes, infelizmente, agora é diferente.

Musicas do dia-a-dia. Trilha sonora do cotidiano.
Bom dia, mas os barulhos dos carros forçam a pergunta feita em voz alta "O que?”.
“Bom dia!” Repito... Sempre. Bom dia. É educado.

E meu avô balbucia
Algo como "É tão triste viver sozinho"
Não tenho voz pra discordar, ele já viveu 86 vezes o dia 13 de março, e eu, quase nada.

Viver cada dia como um novo dia. Mas então, se fosse assim, não aprenderia nada. E o passado não serviria de nada.
Nem pra ficção, nem pra inspiração, saudades ou fantasia, e essas coisas que as pessoas pensam sobre o passado.

Ele foi atrás dos seus objetivos, sente que chega perto. Mas se distancia dele mesmo. então, quando ele chegar perto, não vai mais saber quem é ou o que é. e não mais objetivos terá, pois simplesmente acho que não saberá mais quais sãos eles.

Que olhares duvidosos. Fecho os olhos.
"Moço, o seu troco"... o carro vermelho passa. "Obrigado". A TV estratégica no canto do restaurante.
Já vivi isso antes.

O cinza, mas uma vez. a luz que entra é cinza. Não faz sol.
Cinza... Tenho que parar com algumas manias.

O cigarro após o almoço é lei. Advertem-me sobre os riscos.
Nem ligo, assim como sei que não se importam.

A TV resmunga em algum lugar da casa.
Já voltei. Ônibus-sonífero.

O Despertador não cessa, o leito parece tão seguro. Tão certo.
Mas tenho que despertar. E Esse estrado...

A importância que tinha certas coisas já não faz diferença.
Deixei de lado muita coisa, e pus outras na caixa.

O olhar mudou... Naturalmente.

Desperto.
Só mais um dia.

O desperta dor para.

Eu continuo.

8 comentários:

Thathá disse...

"Ele foi atrás dos seus objetivos, sente que chega perto. Mas se distancia dele mesmo. então, quando ele chegar perto, não vai mais saber quem é ou o que é. e não mais objetivos terá, pois simplesmente acho que não saberá mais quais sãos eles."

Espero que vc se lembre disso daqui a alguns anos...e espero me lembrar tbm...que nós não nos deixemos envolver por essa inércia, por essa bola de neve do sistema...que não percamos o que temos de melhor dentro de nós..o que temos de crianças!!!

Catharine disse...

escrevi.. apaguei. pensei... e na verdade.. a complexidade de coisas simples...
nao consigo me explicar atraves de palavras...
esse texto me trouxe mtas sensaçoes...
me enganei ao dizer q seus textos estavem menos complexos..
como td na vida... relativo!
valores e visoes diferentes...

*com vc.. aprendi. ;)

Catharine disse...

*estavam

Bárbara disse...

Isso é um saco. sabe, ou nossa rotina tá muito sem graça/triste/cansativa.. ou ela tá de um jeito novo, mas insuficiente.. ou estranho. que é um estranho que não nos deixa adaptar, e faz com que sejamos obrigados a ter sempre esse mesmo ciclo de desprezo.
Não preciso nem me explicar, vce entende isso melhor do que ngm.

Sempre achei bobagem essa história de "viver cada dia como se fosse um novo". mas somente pqe os que me deram esse inútil conselho, tem vidas que eu certamente não gostaria de ter.. o que tbm é bastante chato pqe a gente nunca sabe o que quer ter, pra que caminho seguir, a que olhar acreditar ou não. aham aham, é triste viver sozinho, mas não tanto quanto viver num lugar onde não te pertence.

Sabe, esse texto ficou tão claro, mas tão claro que faz com que tudo que eu escrevi aqui se torne repetitivo, ou que até saia do contexto e foco.. sei que vce entende sem que eu precise me explicar. mas mesmo assim deixe que eu fale, pra dizer, sabe. pqe é preciso traduzir em palavras, às vezes. msmo que não baste.

Sinto algo a mais nesse texto, uma mudança notável.. tipo um sopro meio gelado que faz arrepiar. Esse é mais um daqueles que quando eu fechar essa janela, fica trancado dentro de mim.

é. essa é a melhor das respostas que encontrei até hje. trancar dentro de mim. um beijo :*

Bárbara disse...

o que escrevi ficou cansativo. haha.. acontece. desculpe-me.

gabi delarge disse...

nada se repete da mesma maneira. embora tantas coisas se repitam exatamente iguais a como costumavam ser, uma coisa simples e abstrata muda, sempre, todas as vezes: o olhar, a interpretação...
podemos assistir ao mesmo filme várias vezes, mas em cada uma vamos tirar uma lição diferente. talvez a que precisamos tirar daquela vez, ou talvez uma nova visão, baseada no que aprendemos ou mudamos com o passar do tempo. o fato é que não sei... apenas sinto.

Ferdi disse...

saiba você que eu me importo, sim.

Soraia disse...

... enquanto se movimenta ainda se vive... E sempre caimos na velha questao do: "pela minha ou sua lente ????"

=)